Cólicas, calma que é normal!

Ahhh a Maternidade e as provas de sanidade mental que somos colocadas, rs.

CÓLICAS!

Meu Senhor, eu só tenho a agradecer, o Enrico teve uma única vez, já o Felipe algumas rs.
E não adianta simpatia nenhuma, rs pois as cólicas não estão associadas a nenhuma doença. Na verdade, ás cólicas (contrações da musculatura abdominal) são naturais e esperadas, isto é, fazem parte do desenvolvimento da criança. Elas acontecem nos primeiros três meses de vida porque seu filho está se acostumando a digerir o leite e a flora intestinal dele ainda não está formada. Lembre-se ele ficou 41 semanas só no líquido amniótico. É uma adaptação necessária para que o corpo da criança aprenda a lidar com o volume do alimento e também com os gases. JUDIAÇÃO, né? Mas me lembro do ditado da minha mãe: – Crescer dói!.

Por aqui usei bastante uma bolsinha de água quente própria para bebês, elas eram luz!
Recentemente descobri que a Algoducci desenvolveu uma Bolsinha Térmica com Sementes Terapêuticas, que contém erva-doce, camomila, linhaça e capim-santo para dar um cheirinho especial.

O produto é confeccionado em tecido 100% algodão permeável e pode ser lavado. Beeeem receita de vó né? A receita seguida pela empresária Regina Villanueva, na época em que seus filhos eram recém-nascidos, foi a inspiração para a criação, e acabou virando um produto da marca.

Além de ser recomendável para amenizar o desconforto tanto das cólicas quanto dos gases dos bebês, a bolsinha também é indicada para cólicas menstruais, informa a empresária Regina Villanueva, idealizadora da marca. Quanto a forma de utilização Regina explica: “A bolsinha deve ser aquecida no micro-ondas em média 30 a 40 segundos, mas é aconselhável que a mãe teste a temperatura antes de colocar na barriguinha do bebê, por cima da roupinha, até que os sintomas passem”.

Muitas são as dúvidas e inseguranças quanto aos motivos do choro do bebê, que servem de alerta para as mães. E para falar sobre esse assunto, consultamos a pediatra Dra. Loretta Campos, que esclarece: “As cólicas podem ser identificadas quando o bebê chora com intensidade, encolhe as perninhas e arqueia as costas para trás, estica-se e se espreme, além de soltar puns. Normalmente a cólica ataca no final da tarde e à noite, mas em casos mais difíceis o bebê chora a qualquer hora do dia. Pode ficar difícil dar de mamar para o bebê quando ele está tão desconfortável, algumas vezes a cólica pode aparecer durante a amamentação”, explica a médica.

PELOAMORDEUS em circunstancia nenhuma deem chá para os bebês, a vizinha recomendou e ou a prima da amiga do fulano fez e foi ótimo, bebês até os 6 meses precisam de Leite Materno e ou Fórmula (para aqueles que não mamam no peito).

Remédios somente sob prescrição do pediatra, OK?

Somos mães e claro que o desespero do nosso bebê, também é o nosso, então …

  • Respire, tente se acalmar para não passar para ele o seu nervosismo;
  • Coloque ele de bruços e embale-o em seus braços;
  • Massagens circulares em sentido horário no abdômen e ao redor do umbigo ajudam a soltar os gases. Um pouquinho de óleo de bétula ou de amêndoa, isso aquece o local e acalma o bebê;
  • as bolsinhas de água são super relaxantes e fazem um ótimo resultado;
  • leve ele para um ambiente mais calmo, com pouca luz, cante para ele e ou coloque uma musiquinha relaxante;
  • barriga com barriguinha: calor e aconchego.

Nenhum bebê nasce pronto, assim como nunca estamos prontas, então: que venham as experiencias.

Beijos enormes e espero que tenham gostado da dica.

AMArmentar – parte 3

 

Ele ainda Mama?
Não! quando eu não tenho o que fazer coloco ele aqui.

 

Aff, tira esse menino do peito…
Tiro, quando ele fizer 18 anos, e se reclamar deixo até os 20

 

Ainda sai leite?
Não! ele aperta um botão e escolhe a bebida

O Felipe tem 01 ano e 4 meses e eu ouço demais isso. É muito mais que amamentar, é aconchegar, acalmar, é carinho, amor, laço …..

Mas não foram nada “fáceis” esses meses de tetezinho, como já contei tivemos alguns obstáculos no caminho e nesses obstáculos, com o peito ferido não pude usar nem o absorvente e nem a concha.

A minha anja me ensinou uma rosquinha que virou minha best friends rs. Ela além de deixar a auréola e o bico ventilarem, ainda são super legais pois não existe atrito com a ferida, fazendo com que o processo de cicatrização flua.

Em tempos ecológicos, e nas minhas mudanças de hábito, optei por deixar os absorventes para saídas e para quando recebia algumas visitas, de pessoas não tão íntimas. -Elas ajudam a aliviar a sensibilidade que pode acontecer nas primeiras semanas de amamentação e também absorvem o leite que pode vazar dos seios. Elas possuem um buraco central onde se encaixa o mamilo, de modo que ele fique centralizado para não encostar em nada, e o buraco também permite a ventilação desta região.

Usar em contato direto com os seios, dentro do sutiã.

Mas Rafa, onde eu acho essa tal rosca?

Calma, que tudo o que vamos precisar é de uma fralda. Ah e pode ser de qualquer tamanho, é claro que uma fralda pequena (aquela de boca) fica mais discreto, rs.

Obs: As fissuras nos mamilos acontecem por pega errada do bebê e a pega errada, por sua vez, pode ter diversas razões, mas não deve persistir. Procure ajuda com profissionais especialistas em amamentação.

Para sair eu não abria mão dos absorventes e usava da marca amamente, pois eles tem fita adesiva que grudam no sutiãn e não ficam “sambando” sabe.

  • A umidade deixa a pele mais frágil. Por isso, sutiãs e protetores devem estar sempre secos. Troque-os com frequência.
  • Nas primeiras duas ou três semanas após o parto, fuja de sutiãs com aberturas especiais para amamentar. Quando os seios enchem, a costura reforçada das aberturas pode pressionar os dutos mamários, fazendo o leite empedrar. Os modelos mais indicados são os de tecido macio, sem recortes, com bojos grandes, boa sustentação e alças largas.
  • Se as mamas estão pesadas demais e doloridas, pode ser que a criança não esteja dando conta da sua produção. Com o passar do tempo, haverá um ajuste natural entre vocês. Até lá, nunca ofereça o peito muito cheio ao bebê. Como é difícil pegar o bico, as tentativas poderão machucá-la. O melhor é tirar o excesso de leite.
  • Você pode tirar o leite com bombinhas (existem elétricas e manuais) ou com as próprias mãos, bem limpas. Veja com qual método você se adapta melhor. Com as mãos, comece massageando suavemente a região em torno da aréola para dissolver possíveis nódulos. Em seguida, coloque os dedos onde termina a aréola, envolvendo o peito cuidadosamente, e pressione até o leite sair, sem esticar a pele. Esvaziar os seios quando estão cheios demais também evita que o leite empedre.
  • No caso de excesso de leite, não faça compressas mornas ou quentes. O calor tende a aumentar ainda mais a produção. Busque alívio em compressas frias ou geladas. Uma boa opção é fazê-las com chá de camomila quase gelado.
  • Nunca puxe o peito para interromper a mamada. Coloque seu dedo mínimo entre o bico e a criança e, quando ela passar a sugar o dedo, retire o peito suavemente.
  • Ofereça os dois peitos ao bebê. Se ele ainda é pequeno, faça revezamento: comece a mamada pelo peito que não entrou em ação na mamada anterior. Assim, você evita que um deles fique cheio demais e empedre. É recomendável também que a criança esvazie o peito. O leite posterior (do final da mamada) traz maior índice de gordura e a sensação de saciedade. Assim, se o bebê mamar bem, não vai logo chorar de fome novamente.

É claro que bebês não são máquina e TODOS eles são um serumaninho e tem seus dias ruins e bons, toda e qualquer alteração nas mamas e mamadas, devem ser comunicados há um especialista. NUNCA se auto mediquem e nem busquem explicações no Dr Google.

Um beijo enorme, para as mamães recentes uma linda lua de leite, para as mamães de bebezões como eu Força meninas.

 

Amamentação sem filtro – parte 1.

Aiii eu AMO amamentar,o Rico amamentei até 1 ano e 3 meses e o Felipinho estamos há 1 ano e 2 meses e olha que tivemos tudo:
– fissuras mamárias;
– mordidas;
– mastite, mas isso fica para outra parte do Post.

Não foi fácil, mas é e esta sendo gratificante.

Mas será que existe certo ou errado? só se for na pega do bebê.

A pega correta:

foto: Photo Dreams – Luciana

A posição certa está diretamente ligada ao sucesso da amamentação e alguns sinais revelam se a pega foi feita de maneira correta:

-O bebê abre bem a boca e abocanha quase toda a aréola;

-A boca do bebê se mantém bem aberta e acoplada ao seio e seu queixo se encosta na parte inferior da mama;

-A aréola fica mais visível acima da boca do bebê do que abaixo;

-O bebê suga, respira e engole o leite de forma natural e coordenada, com sucções lentas e profundas. Suas bochechas ficam arredondadas.

Orientações:

foto: Photo Dreams – Luciana

Os dedos não devem pinçar o seio, como na foto nem tocar a aréola. Não é necessário o apoio com a mão, apenas quando os seios da mãe são muito grandes e pesados. É preciso cuidado para não bloquear a descida do leite (não use o dedo em tesoura) e não coloque o dedo na aréola, pois é lá que o bebê deve colocar a boca.

É importante que o bebê arrote depois da mamada, pois engole muito ar enquanto mama que se acumula em seu estômago, causando desconforto. Cada criança tem seu próprio padrão de sucção variando o tempo da mamada, por isso evite controlar esse tempo.

Durante o período de amamentação, é recomendável que a mãe tenha uma dieta equilibrada, rica em cálcio (encontrado nos laticínios), iodo (presente em peixes de água salgada) e aumentar a quantidade de ingestão de líquidos.

Como graças a Deus minha produção de leitinho é boa e sempre optei pela livre demanda, para dormir e ficar em casa eu usei muito essas conchas da marca Amamente.

BASE FLEXÍVEL – melhor para coletar leite e proteger seios rachados

O Leite da concha NÃO pode ser armazenado, nem dado ao bebê, é muito importante fazer assepsia das conchas e mante-las sempre secas ao colocar nos seios.

A concha da amamente tem :
transparência, para que seja fácil avaliar seu estado de conservação e limpeza. Lembre-se de que a limpeza é fundamental. O ideal é que as conchas sejam higienizadas e fervidas todos os dias.
 orifícios para ventilação, para permitir a respiração do mamilo e evitar infecções. Caso não haja ventilação, o resultado pode ser uma infecção por cândida ou então outros tipos de danos aos mamilos. Mamilos sem ventilação podem rachar mais facilmente.
» O furo onde se coloca o mamilo não deve ser muito pequeno, do contrário irá machucar. O ideal é que o furo permita que, não só o bico, mas também uma parte da aréola fique dentro do aparelho.

 

Mas Rafa, como você fazia essa limpeza?
Limpava a concha sempre depois de cada mamada na pia do banheiro mesmo e quando ia tomar banho, e 1 vez no dia dava uma esterilizada.
OBS.: pergunte ao seu médico TUDO que você quiser usar e ou tomar durante a lactação.

Aqui em Santos temos um banco de leite que sempre esta pronto para nos ajudar, desde ensinar a mãe amamentar, o bebê a mamar, ordenhar a mama ou até mesmo tratar algumas fissuras.

No Instagram da amamente você pode conferir todos os produtos e todas as mamães que usam e recomendam a marca.

A Amamentação é recomendada pelo Ministério da Saúde até os dois anos de idade ou mais, e que nos primeiros 6 meses, o bebê receba somente leite materno, sem necessidade de sucos, chás, água e outros alimentos. Quanto mais tempo o bebê mamar no peito, melhor para ele e para a mãe. Depois dos 6 meses, a amamentação deve ser complementada com outros alimentos saudáveis e de hábitos da família. Amamentar é muito mais do que nutrir a criança. É um processo que envolve interação profunda entre mãe e filho, com repercussões no estado nutricional da criança, em sua habilidade de se defender de infecções, em sua fisiologia e no seu desenvolvimento cognitivo e emocional.

 Benefícios da amamentação

O leite materno é um alimento completo. Isso significa que, até os 6 meses, o bebê não precisa de nenhum outro alimento (chá, suco, água ou outro leite). Ele é de mais fácil digestão do que qualquer outro leite e funciona como uma vacina*, pois é rico em anticorpos, protegendo a criança de muitas doenças como diarreia, infecções respiratórias, alergias, diminui o risco de hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade. Além disso, é limpo, está sempre pronto e quentinho. A amamentação favorece um contato mais íntimo entre a mãe e o bebê. Sugar o peito é um excelente exercício para o desenvolvimento da face da criança, ajuda a ter dentes bonitos, a desenvolver a fala e a ter uma boa respiração.

*O aleitamento materno não exclui a necessidade de cumprimento do calendário de vacinação da criança.

Benefícios para o bebê: O leite materno protege contra diarreias, infecções respiratórias e alergias. Diminui o risco de hipertensão, colesterol alto e diabetes, além de reduzir a chance de desenvolver obesidade. Crianças amamentadas no peito são mais inteligentes, há evidências de que o aleitamento materno contribui para o desenvolvimento cognitivo.

Benefícios para a mãe: Reduz o peso mais rapidamente após o parto. Ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal, diminuindo o risco de hemorragia e de anemia após o parto. Reduz o risco de diabetes. Reduz o risco de desenvolvimento de câncer de mama e de ovário. Pode ser um método natural para evitar uma nova gravidez nos primeiros 6 meses desde que a mãe esteja amamentando exclusivamente (a criança não recebe nenhum outro alimento) e em livre demanda (dia e noite, sempre que o bebê quiser) e ainda não tenha menstruado.

Benefícios para a família e para o sistema de saúde: Não amamentar pode significar sacrifícios para uma família com pouca renda. Em 2004, o gasto médio mensal com a compra de leite para alimentar um bebê nos primeiros seis meses de vida no Brasil variou de 38% a 133% do salário-mínimo, dependendo da marca da fórmula infantil. A esse gasto devem-se acrescentar custos com mamadeiras, bicos e gás de cozinha, além de eventuais gastos decorrentes de doenças, que são mais comuns em crianças não amamentadas. Para os serviços de saúde a economia é em um menor número de internações, consultas e medicações. Estima-se que o aleitamento materno poderia evitar 13% das mortes em crianças menores de 5 anos em todo o mundo por causas evitáveis.

O Pai / Companheiro: O pai tem sido identificado como importante fonte de apoio à amamentação. Ele tem importante papel, não apenas nos cuidados com o bebê, mas também nos cuidados com a mãe. Portanto, cabe ao profissional de saúde dar atenção ao novo pai e estimulá-lo a participar desse período vital para a família.
(fonte: http://portalms.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-da-crianca/aleitamento-materno#a)

Para você que esta iniciando na amamentação uma Linda Lua de Leite, tenha calma e procure ajuda de precisar.
Lua de Leite é o tempo de que mãe e bebê necessitam para se conhecerem, se adaptarem à nova vida e fortalecerem os vínculos. Com o puerpério a vida fica de cabeça para baixo. Se você já esta como eu, meses de tetezinho parabéns pela aventura. Mas se você mãe, não conseguiu amamentar no peito parabéns também, você é tão poderosa quanto todas as outras.

 

Um beijo enorme mamães.