Aceita um café?

Ahhh se a Dona Florinda soubesse como o bordão dela é usado, rs.

Café, o líquido usado para reuniões informais, reunião formais, pra “respirar” durante o trabalho, para “acordar” durante o expediente.

O caso de amor do café com o mundo provavelmente nunca diminuirá. Famoso por seu sabor apaixonante, a ilustre bebida possui compostos que aliviam a fadiga, aceleram o metabolismo e ainda combatem os radicais livres.

De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), esta é a segunda bebida mais consumida no Brasil, perdendo apenas para água.

Vício para uns, prazer para outros, a verdade é que poucos resistem à um cafezinho. Mas se você é daqueles que toma várias xícaras ao dia, saiba que existe uma quantidade máxima de cafeína que pode ser consumida com segurança. Uma nova revisão de estudos sobre o assunto confirmou que 400 miligramas diários, o correspondente a três xícaras de 150 ml da bebida, é o limite para adultos saudáveis. Para mulheres grávidas, essa quantidade cai para 300 miligramas ao dia.

Segundo a nutricionista Adriana Stavro, apesar de 400 miligramas diários serem considerados seguros para a saúde, não significa que podemos tomar. Nem todos metabolizamos a cafeína da mesma maneira. Para algumas pessoas, uma pequena xícara de café é o suficiente para deixá-las agitados. Ouça o seu corpo, e se ficar inquieto, diminua a quantidade da bebida ou substitua por um chá ou outra bebida sem cafeína

Além do efeito excitante, a bebida também é muito associada à perda de sono. Uma pesquisa feita pela Universidade Wayne State, no estado de Michigan, nos Estados Unidos, constatou que o consumo moderado de cafeína pode sim reduzir o período de sono, por isso evite tomar café após as 17:00h.

Para a nutricionista outro cuidado importante é com pessoas ansiosas. A cafeína é um estimulante do sistema nervoso central. Como consequência, o coração e a respiração aceleram os próprios ritmos e a pressão arterial aumenta. No entanto, tudo isso começa a ser um problema quando há exageros. O excesso de cafeína pode ter efeitos colaterais como: nervosismo, tremores, dor de cabeça, insônia, agitação mental, taquicardia, suor frio e uma sensação de angústia e ansiedade.

Os principais benefícios do café são:
Aumenta a concentração: o consumo do café contribui para melhorar o rendimento cognitivo pela presença da cafeína. Além disso, o café aumenta o estado de atenção aumentas energia e diminui o cansaço.

É fonte de minerais: zinco, potássio e ferro estão presentes no café e são essenciais para o bom funcionamento do organismo.

Acelera o metabolismo: a bebida funciona como um ativador natural, por isso, acelera o metabolismo e a lipólise, contribuindo para a queima de gorduras.

Previne Alzheimer: a cafeína e outros compostos com ação antioxidante exercem papel neuro protetor contra a doença, pois colaboram para reduzir o estresse oxidativo ao neutralizarem a ação dos radicais livres.

Diminui o risco de diabetes mellitus tipo II: alguns estudos apontam que o consumo de café pode ser benéfico na prevenção desta doença, já que a bebida pode aumentar o nível de adiponectina, um hormônio ligado à redução da resistência insulínica.

Previne a bronquite: a cafeína está ligada à teofilina, uma substância que ajuda a relaxar os músculos e auxilia no combate às infecções pulmonares.

Diminui o risco de depressão: Segundo pesquisadores da Harvard School of Public Health, este efeito antidepressivo natural é resultante do estímulo que a cafeína causa no sistema nervoso central, capaz de aumentar a produção dos neurotransmissores cerebrais como a noradrenalina, dopamina e serotonina (hormônios responsáveis pela sensação de bem-estar).

Diminui o risco de doença cardíaca: Uma pesquisa realizada com 140 mil pessoas pela Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard (EUA) mostrou que quatro doses diárias do café diminuem em até 11% o risco de insuficiência cardíaca, que é uma condição em que o coração não consegue bombear o sangue adequadamente para o corpo

A Adriana Stavro Formada em Nutrição pelo Centro Universitário São Camilo. Pós-graduada em Doenças Crônicas não Transmissíveis pelo Hospital Albert Einstein. Pós graduanda em Nutrição Clinica Funcional pela VP consultoria, pós graduanda em Fitoterapia pela Course4U.

Especialidades:
• Saúde, bem estar e emagrecimento;
• Nutrição funcional;
• Doenças Crônicas;
• Regulação do estresse e do sono;
• Nutrição para gestantes;
• Acompanhamento pré e pós cirurgia bariátrica;
• Alergias alimentares;
• Nutrição vegetariana e vegana;
• Nutrição para prática de atividade física;
• Protocolo Detox;