Adaptação Escolar

E lá foi ele pra escola…..

O Enrico com 01 ano e 3 meses ingressava na sua vida escolar, e ele que sempre foi muito confiante nem me deu bola e entrou…. E eu? Eu chorei na porta da escola e me vi perdida, sem ter o que fazer, rs. O Felipe iniciou sua vida escolar há exatas 15 dias, e eu? eu não sei ainda o que pensar… a adaptação esta sendo muito diferente da do Rico, quarta-feira (31/07) e quinta-feira (01/08) entramos juntos as 13:30 fizemos as atividades juntos e viemos embora as 15:40.
Dia 02/08 tudo foi diferente….
Conversei bastante, expliquei que a escola era para ele, e que do mesmo jeito que eu levava e buscava o irmão, faria isso com ele.

Ele entrou as 13 hs, aos prantos… e eu? Fiquei firme e não me culpei.
Sábado e domingo quando o sino da igreja tocava ele já começava : – Escola não!
A gente explicava que não tinha escola, mas que segunda-feira a rotina voltaria.

Segunda-feira chegou …
O Felipe acordou e no café da manhã comecei a conversar com ele e expliquei que iriamos para a escola, mas que dessa vez a mamãe voltaria para casa. Ele me olhou e disse:

– o Felipe vai chorar, vai brincar, papa e chorar pra mamãe ir buscar.

Aquela empolgação de mochila, uniforme, lancheira … Ele foi todo empolgado andando, quando chegou perto da escola já começou: – escola não! e me pediu colo.
Conversamos com ele, quando chegou na porta: – CHORO!
Ele entrou sem resistência nenhuma, mas entrou chorandom chorando não aos prantos kkkkkk.
Me deu um nó na garganta e eu chorei na calçada.

Meu marido começou a rir e me chamou de bundona kkkkkk, as outras mães me acolheram de uma forma tão gostosa. Viemos embora e no caminho de volta conversamos que sabíamos que era o certo, mas que dava uma insegurança e uma sensação de que estávamos errados.

Ás 14:40 ligam da escola, já da aquele frio na barriga né?
E a coordenadora fala: – Oi Rafa, o Felipe ficou bem, mas agora depois do lanche começou a chorar e te chamar, você não quer vir busca-lo?
Eu: – Puxa jura, tudo bem. Vou sim!
Liguei pro meu marido e comentei:
– Olha como ele é esperto amor, disse que iria chorar para ir buscar e chorou!
Na hora me clareou e eu mesma complementei:
– Filho da mãe! Não vou buscar não! Ele me avisou o que faria e fez, se eu for buscar vai virar rotina.
Vai eu ligar na escola 20 min depois e explicar para a coordenadora, ela deu risada e disse:
– É Rafa, ele é além do tempo dele, muito esperto. Ele me perguntou se você viria eu disse que na hora de ir embora, ele parou de chorar e fomos pro parque.

OI?! kkkkkkkkkkkk fala sério né? que menino espertinho, já quer mandar na situação, como pode?.

Brincadeiras a parte, estamos no primeiro mês escolar e ele só foi 2 dias sem chorar e percebo que as saídas tem sido mais animadas. Ele teve o primeiro lanche festivo (comemoração do aniversariante do mês) ontem (27/08) compramos o presente da amiga Tonton e ele escolheu o brinquedo e a embalagem, foi pra escola todo empolgado mas chorou kkkkkkkkk. Ele chora mas não mostra resistência nenhuma em entrar, e logo no corredor da classe já para. Na saída veio todo feliz com a lembrancinha que foi um livrinho, e não desgrudou dele.

Tenho percebido na postura dele algumas mudanças, como sentar de perninha de índio (esmago de tanta fofura kkkkkk) algumas musiquinhas, e algumas saudações como: – Boa tarde, eu vou bem kkkkkkk. As pronuncias estão mais claras e seu vocabulário aumentando.

Ele volta da escola bem cansado, então deixo ele cochilar 1 hora para não ficar mal humorado e nem stressado, depois acordo ele, brincamos, dou a janta, brincamos e cama!

Me conta como foi a adaptação do seu filho, e ou como você esta se preparando para essa nova etapa.

Beijos.

 

 

Mãe também cansa!

Eitaaaaaaaaaaa que o que eu mais ouço é:
– Cansada de que? Trabalha em casa e fica só com eles, queria ver você no meu lugar!

Vamos lá :

Enquanto TODOS dormem, uma mãe está acordada e NINGUÉM vê!
Uma mãe come em pé, gelado ou quando dá, enquanto isso os filhos estão comidos, e a comida fresca feita.
Quem trabalha fora, se vê no direito de chegar em casa e falar: Tive um dia difícil, será que você pode ficar com eles?
OI?! e eu não tive um dia difícil, só porque trabalho em casa?

O que todos pensam:

Que a mãe dormiu 12 horas seguidas, levantou, tomou o seu café, conseguiu abrir os emails, o bebê acordou tomou café, o mais velho acordou depois de 30 min também tomou café, você lembrou que ele tem lição e ele foi fazer, o bebê brinca e ou vê tv lindamente enquanto você termina o almoço ou trabalha no computador. Você confere a lição do mais velho e sem precisar insistir ele vai brincar com o irmão.
– Filho, vai tomar banho. a Criança automaticamente sorri e diz:
– Claro mãe.
Coloca o uniforme, enquanto você joga uma água no corpo, todos sentam para almoçar com a paz do senhor, você faz as lancheiras e 15 min para as 13 hs todos estão prontos e de dentes escovados para ir a escola.

Lindo seria não é? Mas o que ninguém vê, e quando você conta é:

Consegui fazer o Felipe dormir as 00 hs, dormi no chão do quarto e levantei toda torta as 03 para ir pra cama, antes de ir deitar passo no quarto do Rico para conferir se esta tudo ok, magicamente o Felipe acorda as 04:30, volto para o quarto dele e faço ele dormir, volto pra cama, ás 06:30 ele acorda, eu cansada levo pra minha cama, levanto as 08:30 para tomar cafe sossegada, o Felipe acorda as 9 hs e só quer meu colo, volto pro café que já esta gelado e a bolacha murcha pq ficou com a manteiga, tento então trabalhar pelo celular, quando o marido sai para trabalhar me olha e diz:

– dá atenção pra ele, não sai desse telefone.
Dou aquela respirada, coloco o telefone na bancada e começamos a brincadeira, levanto para acordar o Rico e o Felipe vem aos berros pedindo colo, pego ele no colo, acordo o Rico, vou pra cozinha fazer um café pra ele, sentamos para fazer a lição, Felipe quer atenção e começa a querer rabiscar a lição do irmão, o irmão começa a gritar…. Respiro…. Lição feita, já estou toda atrasada e começo: encho a banheira, e grito do banheiro: Ricooooooooooo vai tomar banho !
Felipe entra no banho, dou banho nele e deixo ele brincar um pouco, enquanto vou ver o Rico! Para meu stress o bonito ta vendo TV, ai pareço aquelas mães loucas! Brigo e coloco no banho, corro pra tirar o Felipe que saí do banho com os pulmões a flor da pele, num choro de ensurdecer qualquer um. O Rico já esta de banho tomado e uniformizado, arrumo o Felipe (quase um MMA) e ele chorando… Vou tomar banho e o Felipe faz um escândalo! Fica no banheiro até eu terminar o banho (um banho onde lavo o cabelo de olhos abertas e falando: não mexe ai), vamos para a cozinha, coloco a comida dos dois, o Felipe cisma que quer comer a comida do irmão, troco os pratos, enquanto comem faço a lancheira, o Fê vê a bisnaguinha para de almoçar e quer comer a bisnaguinha naquela hora, as 13 o marido chega e fala:
– ainda estão assim? O que você fez de manhã?.
13:05 descemos para ir pra escola.

Chego, e estou aqui sentada escrevendo para vocês e minha funcionária me fala:

– Ou, não vai almoçar hoje não?
É são 14:45 e me lembro que não tomei água, não terminei o café da manhã e o almoço, esse eu nem vi ….

Tenho a sorte de ter alguém aqui de segunda a sexta para os afazeres domésticos, enquanto posso ser mãe, e várias vezes me pego pensando nas mães que não tem ajuda nenhuma. O Felipe está na escola há 01 semana, mas minhas tardes eram com ele no colo, com ele brincando, com ele, com ele, quando tinha que sair para cuidar de mim (que era raro) e ou ir em uma reunião presencial minha mãe vinha pra cá, mas não pensem que era fácil, pq ela reclamava muitas vezes.

Não julguem uma mãe que chora enquanto ninguém vê! Respeite.

Se você tem uma rede de apoio, agradeça! Se você sai para trabalhar e deixa seu (s) filho (s) na creche, escola em período integral, com as avós, você também pode estar cansada e se sentir culpada.

Você que sai pra trabalhar e julga uma mãe que diz estar cansada, ela NÃO esta cansada dos filhos e ou de ser Mãe, ela só esta cansada, assim como você que chega em casa e diz: o meu dia não foi fácil! o dela pode não ter sido também.

Quando um filho nasce, nos tornamos mães não ganhamos poderes especiais, continuamos seres humanos, passiveis de erros, com necessidades fisiológicas e psicológicas.

Vamos amar e respeitar mais e julgar menos ok?

 

AMArmentar – parte 3

 

Ele ainda Mama?
Não! quando eu não tenho o que fazer coloco ele aqui.

 

Aff, tira esse menino do peito…
Tiro, quando ele fizer 18 anos, e se reclamar deixo até os 20

 

Ainda sai leite?
Não! ele aperta um botão e escolhe a bebida

O Felipe tem 01 ano e 4 meses e eu ouço demais isso. É muito mais que amamentar, é aconchegar, acalmar, é carinho, amor, laço …..

Mas não foram nada “fáceis” esses meses de tetezinho, como já contei tivemos alguns obstáculos no caminho e nesses obstáculos, com o peito ferido não pude usar nem o absorvente e nem a concha.

A minha anja me ensinou uma rosquinha que virou minha best friends rs. Ela além de deixar a auréola e o bico ventilarem, ainda são super legais pois não existe atrito com a ferida, fazendo com que o processo de cicatrização flua.

Em tempos ecológicos, e nas minhas mudanças de hábito, optei por deixar os absorventes para saídas e para quando recebia algumas visitas, de pessoas não tão íntimas. -Elas ajudam a aliviar a sensibilidade que pode acontecer nas primeiras semanas de amamentação e também absorvem o leite que pode vazar dos seios. Elas possuem um buraco central onde se encaixa o mamilo, de modo que ele fique centralizado para não encostar em nada, e o buraco também permite a ventilação desta região.

Usar em contato direto com os seios, dentro do sutiã.

Mas Rafa, onde eu acho essa tal rosca?

Calma, que tudo o que vamos precisar é de uma fralda. Ah e pode ser de qualquer tamanho, é claro que uma fralda pequena (aquela de boca) fica mais discreto, rs.

Obs: As fissuras nos mamilos acontecem por pega errada do bebê e a pega errada, por sua vez, pode ter diversas razões, mas não deve persistir. Procure ajuda com profissionais especialistas em amamentação.

Para sair eu não abria mão dos absorventes e usava da marca amamente, pois eles tem fita adesiva que grudam no sutiãn e não ficam “sambando” sabe.

  • A umidade deixa a pele mais frágil. Por isso, sutiãs e protetores devem estar sempre secos. Troque-os com frequência.
  • Nas primeiras duas ou três semanas após o parto, fuja de sutiãs com aberturas especiais para amamentar. Quando os seios enchem, a costura reforçada das aberturas pode pressionar os dutos mamários, fazendo o leite empedrar. Os modelos mais indicados são os de tecido macio, sem recortes, com bojos grandes, boa sustentação e alças largas.
  • Se as mamas estão pesadas demais e doloridas, pode ser que a criança não esteja dando conta da sua produção. Com o passar do tempo, haverá um ajuste natural entre vocês. Até lá, nunca ofereça o peito muito cheio ao bebê. Como é difícil pegar o bico, as tentativas poderão machucá-la. O melhor é tirar o excesso de leite.
  • Você pode tirar o leite com bombinhas (existem elétricas e manuais) ou com as próprias mãos, bem limpas. Veja com qual método você se adapta melhor. Com as mãos, comece massageando suavemente a região em torno da aréola para dissolver possíveis nódulos. Em seguida, coloque os dedos onde termina a aréola, envolvendo o peito cuidadosamente, e pressione até o leite sair, sem esticar a pele. Esvaziar os seios quando estão cheios demais também evita que o leite empedre.
  • No caso de excesso de leite, não faça compressas mornas ou quentes. O calor tende a aumentar ainda mais a produção. Busque alívio em compressas frias ou geladas. Uma boa opção é fazê-las com chá de camomila quase gelado.
  • Nunca puxe o peito para interromper a mamada. Coloque seu dedo mínimo entre o bico e a criança e, quando ela passar a sugar o dedo, retire o peito suavemente.
  • Ofereça os dois peitos ao bebê. Se ele ainda é pequeno, faça revezamento: comece a mamada pelo peito que não entrou em ação na mamada anterior. Assim, você evita que um deles fique cheio demais e empedre. É recomendável também que a criança esvazie o peito. O leite posterior (do final da mamada) traz maior índice de gordura e a sensação de saciedade. Assim, se o bebê mamar bem, não vai logo chorar de fome novamente.

É claro que bebês não são máquina e TODOS eles são um serumaninho e tem seus dias ruins e bons, toda e qualquer alteração nas mamas e mamadas, devem ser comunicados há um especialista. NUNCA se auto mediquem e nem busquem explicações no Dr Google.

Um beijo enorme, para as mamães recentes uma linda lua de leite, para as mamães de bebezões como eu Força meninas.

 

Amamentação – Parte 2

AMARmentar, e o que ninguém te conta.

Na gestação do Rico eu preparei as mamas, fiz inúmeros banhos de Sol, passei esponja para “engrossar o bico”, fiz a técnica do radinho… e não tive nenhum problema, já na do Felipinho fiz um Post no Instagram e choveu comentários de que eu estava errada, que isso não se fazia mais, bom coincidências ou não: fissuras.

Vocês sabiam que a maioria das mãezinhas que pararam a amamentação exclusiva foi decorrente de algum trauma mamário? Tive alguns obstáculos na amamentação do Fê, mas seguimos mono teta e na livre demanda até hoje.

Entre as alterações mamárias mais comuns na primeira semana de amamentação, destaca-se: ingurgitamento, dor, mastite, edema e trauma mamilar.

Ah o trauma mamilar, ele está entre as principais causas do abandono do aleitamento materno. Geralmente o mesmo ocorre na primeira semana após o parto, no meu caso uma pega errada quando ele estava com 4 meses.

Juro que eu prefiro 10 partos normais há um machucado na mama. Uma noite o Fê pegou o peito errado e fez uma bolha (lembra que falamos da pega no parte 1?) que doooor, tentei de tudo: SOl, esparadrapo, ai comprei aquele *protetor de silicone indicação de algumas amigas, mas a dor era na feridinha, nada adiantou até chamar minha Anja (uma enfermeira especializada em amamentação) para laserterapia. Mas calma, amamentar não é sofrimento, tem carinho, tem amor, tem apego.

 

 

Esse foi o que eu comprei para usar, ele é extremamente fininho, porém no meu caso não adiantou, algumas mamães me disseram que para elas foi muito bom. Lembre-se sempre de perguntar ao seu médico se ele indica determinado produto para você, cada caso é um caso.

 

 

 

Outras causas possíveis seriam: o uso de cremes e óleos (que deixam a pele fina e sensível) ou de sabonetes (que ressecam a pele) nos mamilos, a presença de mamilos curtos, planos ou invertidos, disfunções orais na criança, frênulo lingual excessivamente curto, sucção não nutritiva prolongada, uso impróprio de bombas de extração de leite, não interrupção adequada da sucção da criança quando for necessário retirá-la do peito, uso de protetores de mamilo (intermediários) e exposição prolongada a forros úmidos.

Para prevenir a ocorrência de fissuras a mãe deve:

  • atentar à pega da mama,
  • manter as mamas secas,
  • realizar ordenha manual para permitir que a aréola esteja maleável e o bebê consiga realizar a pega correta
  • eliminar o uso de produtos (cremes, óleos, sabonete)
  • não utilizar conchas ou intermediários
  • oferecer a mama em livre demanda e antes que o bebê esteja com muita fome
  • quando necessário retirar o bebê da mama, colocar o dedo mínimo em sua comissura labial até a língua para eliminar a pressão negativa

No entanto, quando a fissura acontece, ela é muito dolorosa e pode levar ao desmame precoce, por isso é importante tratá-la corretamente, procure sua GO ou até um mastologista, mas NÃO SE AUTOMEDIQUEM. Eu recorri a minha GO e a enfermeira de amamentação, que faz um trabalho lindo aqui na Baixada Santista,  usamos a Laserterapia.

Além de corrigir a pega da mama e posição, o tratamento indicado pelo Ministério da Saúde é:

  • oferecer a mama menos afetada inicialmente, assim o bebê já estará mais saciado quando for para a outra mama e haverá menor pressão negativa
  • realizar ordenha prévia para liberação do leite
  • oferecer a mama em outras posições, até encontrar a mais confortável
  • Não se deve utilizar banho de luz, banho de sol, secador de cabelo, pois hoje se sabe que a cicatrização de feridas é mais eficiente se as camadas internas da epiderme (expostas pela lesão) se mantiverem úmidas
  • dar pausa na amamentação do lado afetado por alguns dias até que a fissura cicatrize, mas realizar ordenha manual durante este período.
  • Não utilizar cremes, óleos, compressas de chá ou quaisquer outros produtos. Seus efeitos não são comprovados.
  • Cuidado com o uso da lanolina purificada. Ela pode diminuir o desconforto da lactante, porém não existem evidências de que esse produto acelere a cicatrização.

 

 

 

 

AMAmentar é um ato de doação, de amor, de acalanto. Além de alimentar estamos nos conectando, aumentando nosso vínculo mãe e filho. Não deixem que “conselhos” lhe frustem e ou lhe desanimem, VOCÊ é a melhor mãe que seu filho pode ter.

 

Amamentação sem filtro – parte 1.

Aiii eu AMO amamentar,o Rico amamentei até 1 ano e 3 meses e o Felipinho estamos há 1 ano e 2 meses e olha que tivemos tudo:
– fissuras mamárias;
– mordidas;
– mastite, mas isso fica para outra parte do Post.

Não foi fácil, mas é e esta sendo gratificante.

Mas será que existe certo ou errado? só se for na pega do bebê.

A pega correta:

foto: Photo Dreams – Luciana

A posição certa está diretamente ligada ao sucesso da amamentação e alguns sinais revelam se a pega foi feita de maneira correta:

-O bebê abre bem a boca e abocanha quase toda a aréola;

-A boca do bebê se mantém bem aberta e acoplada ao seio e seu queixo se encosta na parte inferior da mama;

-A aréola fica mais visível acima da boca do bebê do que abaixo;

-O bebê suga, respira e engole o leite de forma natural e coordenada, com sucções lentas e profundas. Suas bochechas ficam arredondadas.

Orientações:

foto: Photo Dreams – Luciana

Os dedos não devem pinçar o seio, como na foto nem tocar a aréola. Não é necessário o apoio com a mão, apenas quando os seios da mãe são muito grandes e pesados. É preciso cuidado para não bloquear a descida do leite (não use o dedo em tesoura) e não coloque o dedo na aréola, pois é lá que o bebê deve colocar a boca.

É importante que o bebê arrote depois da mamada, pois engole muito ar enquanto mama que se acumula em seu estômago, causando desconforto. Cada criança tem seu próprio padrão de sucção variando o tempo da mamada, por isso evite controlar esse tempo.

Durante o período de amamentação, é recomendável que a mãe tenha uma dieta equilibrada, rica em cálcio (encontrado nos laticínios), iodo (presente em peixes de água salgada) e aumentar a quantidade de ingestão de líquidos.

Como graças a Deus minha produção de leitinho é boa e sempre optei pela livre demanda, para dormir e ficar em casa eu usei muito essas conchas da marca Amamente.

BASE FLEXÍVEL – melhor para coletar leite e proteger seios rachados

O Leite da concha NÃO pode ser armazenado, nem dado ao bebê, é muito importante fazer assepsia das conchas e mante-las sempre secas ao colocar nos seios.

A concha da amamente tem :
transparência, para que seja fácil avaliar seu estado de conservação e limpeza. Lembre-se de que a limpeza é fundamental. O ideal é que as conchas sejam higienizadas e fervidas todos os dias.
 orifícios para ventilação, para permitir a respiração do mamilo e evitar infecções. Caso não haja ventilação, o resultado pode ser uma infecção por cândida ou então outros tipos de danos aos mamilos. Mamilos sem ventilação podem rachar mais facilmente.
» O furo onde se coloca o mamilo não deve ser muito pequeno, do contrário irá machucar. O ideal é que o furo permita que, não só o bico, mas também uma parte da aréola fique dentro do aparelho.

 

Mas Rafa, como você fazia essa limpeza?
Limpava a concha sempre depois de cada mamada na pia do banheiro mesmo e quando ia tomar banho, e 1 vez no dia dava uma esterilizada.
OBS.: pergunte ao seu médico TUDO que você quiser usar e ou tomar durante a lactação.

Aqui em Santos temos um banco de leite que sempre esta pronto para nos ajudar, desde ensinar a mãe amamentar, o bebê a mamar, ordenhar a mama ou até mesmo tratar algumas fissuras.

No Instagram da amamente você pode conferir todos os produtos e todas as mamães que usam e recomendam a marca.

A Amamentação é recomendada pelo Ministério da Saúde até os dois anos de idade ou mais, e que nos primeiros 6 meses, o bebê receba somente leite materno, sem necessidade de sucos, chás, água e outros alimentos. Quanto mais tempo o bebê mamar no peito, melhor para ele e para a mãe. Depois dos 6 meses, a amamentação deve ser complementada com outros alimentos saudáveis e de hábitos da família. Amamentar é muito mais do que nutrir a criança. É um processo que envolve interação profunda entre mãe e filho, com repercussões no estado nutricional da criança, em sua habilidade de se defender de infecções, em sua fisiologia e no seu desenvolvimento cognitivo e emocional.

 Benefícios da amamentação

O leite materno é um alimento completo. Isso significa que, até os 6 meses, o bebê não precisa de nenhum outro alimento (chá, suco, água ou outro leite). Ele é de mais fácil digestão do que qualquer outro leite e funciona como uma vacina*, pois é rico em anticorpos, protegendo a criança de muitas doenças como diarreia, infecções respiratórias, alergias, diminui o risco de hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade. Além disso, é limpo, está sempre pronto e quentinho. A amamentação favorece um contato mais íntimo entre a mãe e o bebê. Sugar o peito é um excelente exercício para o desenvolvimento da face da criança, ajuda a ter dentes bonitos, a desenvolver a fala e a ter uma boa respiração.

*O aleitamento materno não exclui a necessidade de cumprimento do calendário de vacinação da criança.

Benefícios para o bebê: O leite materno protege contra diarreias, infecções respiratórias e alergias. Diminui o risco de hipertensão, colesterol alto e diabetes, além de reduzir a chance de desenvolver obesidade. Crianças amamentadas no peito são mais inteligentes, há evidências de que o aleitamento materno contribui para o desenvolvimento cognitivo.

Benefícios para a mãe: Reduz o peso mais rapidamente após o parto. Ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal, diminuindo o risco de hemorragia e de anemia após o parto. Reduz o risco de diabetes. Reduz o risco de desenvolvimento de câncer de mama e de ovário. Pode ser um método natural para evitar uma nova gravidez nos primeiros 6 meses desde que a mãe esteja amamentando exclusivamente (a criança não recebe nenhum outro alimento) e em livre demanda (dia e noite, sempre que o bebê quiser) e ainda não tenha menstruado.

Benefícios para a família e para o sistema de saúde: Não amamentar pode significar sacrifícios para uma família com pouca renda. Em 2004, o gasto médio mensal com a compra de leite para alimentar um bebê nos primeiros seis meses de vida no Brasil variou de 38% a 133% do salário-mínimo, dependendo da marca da fórmula infantil. A esse gasto devem-se acrescentar custos com mamadeiras, bicos e gás de cozinha, além de eventuais gastos decorrentes de doenças, que são mais comuns em crianças não amamentadas. Para os serviços de saúde a economia é em um menor número de internações, consultas e medicações. Estima-se que o aleitamento materno poderia evitar 13% das mortes em crianças menores de 5 anos em todo o mundo por causas evitáveis.

O Pai / Companheiro: O pai tem sido identificado como importante fonte de apoio à amamentação. Ele tem importante papel, não apenas nos cuidados com o bebê, mas também nos cuidados com a mãe. Portanto, cabe ao profissional de saúde dar atenção ao novo pai e estimulá-lo a participar desse período vital para a família.
(fonte: http://portalms.saude.gov.br/saude-para-voce/saude-da-crianca/aleitamento-materno#a)

Para você que esta iniciando na amamentação uma Linda Lua de Leite, tenha calma e procure ajuda de precisar.
Lua de Leite é o tempo de que mãe e bebê necessitam para se conhecerem, se adaptarem à nova vida e fortalecerem os vínculos. Com o puerpério a vida fica de cabeça para baixo. Se você já esta como eu, meses de tetezinho parabéns pela aventura. Mas se você mãe, não conseguiu amamentar no peito parabéns também, você é tão poderosa quanto todas as outras.

 

Um beijo enorme mamães.

Mala e a Necessaire dos Meninos

Oies,

Mala de viagem pode ser uma preocupação não é? Confesso que eu levava metade do guarda-roupas ate fazer um curso de Organização de malas, foi VIDAAAA, hoje viajamos com 01 mala para 03 pessoas e 01 pro bebê.

A mala do Fê é a mala de maternidade, e a nossa é uma mala tamanho médio (daquelas que vendem o trio). Essas malas vão no porta malas e eu só pego quando já estamos instalados rs, comigo vai a mochila que usamos no dia a dia, tenho a mochila Land e sou completamente apaixonada pela praticidade dela.

O que levar?

TODAS as roupas são de acordo com o clima do local que iremos, no caso: Goiânia que é super quente e seca, porém de noite fresca. Confesso que dou inúmeras pesquisadas no clima tempo uma semana antes da viagem e vou adequando a mala.

Necessaire.

Minhas comprinhas feitas com a Fancy Imports foi essencial para esses dias fora de casa, confesso que de tuuuudo a banheira foi “uma mão na roda” rs. Super compacta e enchia no pulmão mesmo e em menos de 5 min estava prontinha para o banho.

 

a embalagem tem 21 cm e espessura de 5 cm.

E esse kit viajante com mini shampoo,  hidratante e talco? minha sobrinha na hora:

-Tia é da Baby Alive? kkkkkk Realmente parece de brinquedo, durou e  sobrou para os 09 dias de viagem e foi usado pelo Rico e Felipe. Esse kit da safety é VIDA, a unha dos bebês crescem na velocidade da luz não é? e esse kit vem um cortador e uma necessaire fofa, e coube tudo lá dentro incluindo o kit da Johnson´s, já deixei ela montadinha para a próxima viagem.

Como você leva as roupas?

Separo kits como esse da foto: body de meia manga, shorts, calça, meia, babador e 1 fralda.

Body de manga Comprida, calça, meia e fralda.

Coloco tudo no saquinho da maternidade, fica perfeito, otimiza tempo e organizadissimo.

Mas Rafa como você troca a fralda na estrada?

Levo comigo no banco de traz a mochila que usamos no dia a dia, tenho a mochila da marca Land, sou completamente apaixonada por ela, sá pra fazer tudo com 01 mão só, rs. E dentro dela levo 02 trocas de roupa, 14 fraldas, repelente … o que usamos habitualmente. Sempre que necessário fazíamos as paradas para trocar as fraldas e esticar as pernocas.

Como entreter durante tanto tempo dentro do carro?

Olha que é mais fácil do que podemos imaginar. Levei a bolsa de praia (aquela que mostrei no post anterior), íamos brincando, entretendo, tinham as mamadas, e uma garrafa de água, JURO foi mais interessante a garrafa do que qualquer brinquedo que levei kkkkkk.

Outros kms, viagens e aventuras nos espera e não precisamos perder tempo e nem nos estressar com as pequenas coisas, a vida está ai para ser vivida.

Já estamos programando uma nova trip e em breve um novo diário de bordo estará a caminho.

Beijão.

Primeiro trimestre de Gestação.

Quando eu ouvia:

-Nenhuma gestação é igual.

Eu tive plena certeza rs, já contei dos enjoos, mas nessa gestação eu estou mais medrosa.

Não sei explicar ao certo, mas acho que a quantidade de informação nos deixa mais apreensivos. O primeiro trimestre de gestação vai da 1ª até a 12ª semana de gravidez e durante esse período o corpo vai se adaptando às sucessivas mudanças que durarão, aproximadamente, 40 semanas, até o nascimento do bebê.

Alguns exames na primeira consulta do pré-natal.

Os exames de sangue que devem ser feitos no 1º trimestre de gravidez são:

  • Hemograma completo: Serve para verificar se há alguma infecção ou anemia.
  • Tipo sanguíneo e fator Rh: Importante quando o fator Rh dos pais é diferente, quando um é positivo e outro é negativo.
  • VDRL: Serve para verificar se há sífilis, uma doença sexualmente transmissível, que se não for devidamente tratada, pode levar a malformação do bebê ou aborto espontâneo.
  • HIV: Serve para identificar o vírus HIV que provoca a AIDS. Se a mãe for devidamente tratada, as chances do bebê se contaminar são baixas.
  • Hepatite B e C: Serve para diagnosticar as hepatites B e C. Se a mãe receber o devido tratamento, evita que o bebê seja contaminado com estes vírus.
  • Tireóide: Serve para avaliar o funcionamento da tireoide, os níveis de TSH, T3 e T4, pois o hipertireoidismo pode levar ao aborto espontâneo.
  • Glicose: Serve para diagnosticar ou acompanhar o tratamento da diabetes gestacional.
  • Toxoplasmose: Serve para verificar se a mãe já teve contato com o protozoário Toxoplasma gondi, o qual pode causar malformação no bebê. Caso não seja imune, ela deverá receber orientações para evitar a contaminação.
  • Rubéola: Serve para diagnosticar se a mãe possui rubéola, pois esta doença pode provocar malformação nos olhos, coração ou cérebro do bebê e também aumenta o risco de aborto espontâneo e de parto prematuro.
  • Citomegalovírus ou CMV: Serve para diagnosticar a infecção pelo citomegalovírus, que quando não é devidamente tratada pode causar restrição de crescimento, microcefalia, icterícia ou surdez congênita no bebê.

Esses são super “de boa”, mas uma ultrassom específica me deixou apreensiva, a ultrassom realizado com 11 semanas de gestação, nela é possível fazer a medida da translucência nucal, que é uma medida tirada no ultrassom morfológico do primeiro trimestre, um exame de rotina que tem como principal objetivo ajudar a detectar o risco de síndrome de Down e outras anomalias cromossômicas, além de problemas cardíacos. O objetivo principal da translucência nucal é medir um espaço específico na nuca do bebê, entre 11 e 14 semanas de gravidez. A partir de 14 semanas, não dá mais para fazer o exame, porque o espaço deixa de ser transparente na imagem do ultrassom. Mamães temos que nos atentar e fazer tudinho que nossos GOs pedem, as datas são primordiais.

Bebês que tenham alguma anomalia tendem a acumular mais líquido nessa região da nuca, por isso uma medida acima da média normal é considerada um possível indicador de algum problema. Durante o mesmo exame, também se verifica a presença do osso nasal. A ausência desse osso pode ser mais um indicador de anormalidade.
Às vezes, o resultado da medida da translucência nucal é combinado com o resultado de um exame de sangue feito na mãe, gerando uma avaliação do risco da presença de alguma síndrome cromossômica. Esse exame de sangue é útil porque diminui o grande número de falsos positivos que só a medida pelo ultrassom apresenta.
Com base no resultado da translucência nucal, na presença ou não do osso nasal e na idade da mãe, o médico pode sugerir a realização de algum outro exame, como o diagnóstico pré-natal não-invasivo (feito pelo exame de sangue)biópsia do vilo corial ou a amniocentese, a fim de confirmar ou descartar uma eventual suspeita.
Se você fizer o exame o quanto antes, próximo das 11 semanas, terá mais tempo de fazer uma biópsia do vilo corial (que pode ser feita até 13 semanas) para ter uma resposta definitiva, em caso de suspeita de anormalidade.
Por outro lado, em termos médicos, 12 semanas completas é o momento ideal para o exame. O exame de marcadores bioquímicos no sangue, que deixa o resultado da translucência nucal mais preciso, também é realizado com 12 semanas. E mamães NADA de ficar no tio google.

E lá ficamos alguns instantes (quase uma eternidade, rs) e ouvimos:

Tudo normal.

Meu medo era algum probleminha cardíaco, aflição boba né? Mas graças a deus coração OK rs.

Muitas pessoas ainda não sabiam da gestação, e agora só faltava 02 semanas para contarmos para todo mundo, e fazer aquela foto com textão no Insta, rs.

 

 

Quando Nasce uma mãe, nasce a culpa?

Oie amorinhas,

A gente ouve e se pega falando: Nasce a mãe, nasce a culpa. Mas será mesmo?

Pelo dicionário: Significado de Culpa
-substantivo feminino
-Responsabilidade por uma ação que ocasiona dano ou prejuízo a outra pessoa: não assumiu a culpa pelo atraso dos pagamentos.
-[Jurídico] Ato ou omissão repreensível ou criminosa; falta voluntária, delito, crime: pagar por uma culpa.
-[Jurídico] Ação que ocasiona propositalmente danos a outrem.
Sentimento doloroso de quem se arrependeu de suas ações: estou sofrendo porque tenho culpa.

Lendo assim, nenhuma delas se encaixa na maternidade não é? rs.

Nós culpamos por não ter tempo,

Nós culpamos por voltar a trabalhar,

Nós culpamos por não ter conseguido amamentar….

Nós culpamos ou a sociedade está nos julgando?

A mãe esta amamentando seu filho no peito, eis que escuta:

-Nossa essa criança ja come, pra que continuar com o peito?

A mãe amamentando seu filho com a mamadeira, eis que houve:

-A tadinho, você não teve leite? que judiação

A mãe sai pra trabalhar, deixe seu bem mais precioso na escola, babá ou com os avós e…

– Mas você já vai voltar? Vocês tem condição, para de trabalhar.

A sociedade cobra de uma mãe, de um filho, de uma mulher, ela questiona, aponta o dedo, mas ninguém para do seu lado e pergunta:

-Você teve problemas pra amamentar?

Mas aponta o dedo e diz: Olha lá ela da mamadeira.

Hipocrisia? talvez.

Acontece que o mundo esta ficando chato e as pessoas só sabem cobrar, uma mãe puérpera esta com sentimentos aflorados, está tentando entender as mudanças em seu corpo, as mudanças de rotina e isso vale para mamães de primeira, segunda, terceira, quarta e de muitas viagens rs. O ser humano precisa de mais cuidados ao falar, julgar menos e perguntar mais. O que não ajuda, é a visão que a sociedade têm de que os filhos são como um peso a ser suportado, um inconveniente a driblar. A mãe que abre mão de estar trabalhando, para ter mais tempo com os filhos pode se sentir perdendo a oportunidade de fazer algo que tenha reconhecimento na sociedade, por outro lado temos uma sociedade que julga quando uma mãe volta ao seu emprego, ou larga o mesmo para ser mãe em tempo integral.

Não podemos esquecer da frase: – A culpa é da mãe que trabalha o dia inteiro e não vê isso!

SIMPLESMENTE PAREM!

Uma mãe só quer ser Mãe, cuidar e educar do jeito dela, você e mais ninguém é a mãe dos seus filhos, por pior mãe que você se sinta, você sempre será a melhor mãe do mundo. Quantas vezes não nos pegamos abraçando os nossos filhos e pedindo desculpas?.

“Será que uma mãe pode esquecer do seu bebê que ainda mama e não ter compaixão do filho que gerou? Embora ela possa se esquecer, eu não me esquecerei de você!“
Isaías 49:15

Vamos focar no mais importante? em ser mãe, sem culpar, sem cobrar, só amando.

Por menos dedos apontados, e mais braços esticados.